Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Consulta completa da Tabela da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE)

Responsável: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) é o instrumento de padronização nacional dos códigos de atividade econômica e dos critérios de enquadramento utilizados pelos diversos órgãos da Administração Tributária do Brasil em seus registros administrativos.

A CNAE é utilizada por todos agentes econômicos que estão engajados na produção de bens e serviços, podendo compreender estabelecimentos de empresas privadas ou públicas, estabelecimentos agrícolas, organismos públicos e privados, instituições sem fins lucrativos e agentes autônomos (pessoa física).

A CNAE é o resultado do trabalho conjunto das 3 (três) esferas de governo, elaborada sob a coordenação da Receita Federal do Brasil (RFB) e orientação técnica do IBGE, com representantes da União, dos Estados e dos Municípios, na Subcomissão Técnica da CNAE, que atua em caráter permanente no âmbito da Comissão Nacional de Classificação (Concla).

A partir da CNAE foram derivadas mais 2 (duas) outras classificações, a CNAE-Domiciliar e a CNAE-Fiscal. A primeira foi desenvolvida para ser utilizada no censo demográfico e em outras pesquisas domiciliares.

Já a CNAE-Fiscal é um detalhamento das classes da CNAE para uso na administração pública tributária. Na Receita Federal, por exemplo, a CNAE é informada na Ficha Cadastral de Pessoa Jurídica (FCPJ) que alimentará o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Uma pessoa jurídica de qualquer natureza jurídica pode ter uma ou várias atividades econômicas, derivadas ou não da atividade principal.

Além da RFB, a CNAE também é utilizado nas esferas Estadual e Municipal em seus respectivos cadastros, bem como para diversos fins estatíticos. O foco é proporcionar melhorias na gestão tributária e conseguir controlar ações fraudulentas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estrutura da CNAE:

É necessário conhecer o contexto das atividades econômicas para o entendimento da tabela da CNAE, pois ela segue um critério lógico e hierarquizado, sendo dividida em 5 (cinco) classificações organizadas em níveis sequenciais (em ordem crescente), que são eles: seções, divisões, grupos, classes e subclasses.

Todos essas classificações, cada uma em seu nível é acompanhada de um código numérico, o qual vai sendo agregado sequencialmente os próximos códigos. Dessa forma, temos que a CNAE apresenta 7 (sete) dígitos, sendo os 5 (cinco) primeiros referentes à própria estrutura e os últimos 2 (dois) representantes da segregação por atividades (subclasse), específico para atender as necessidades de organização dos Cadastros de Pessoas Jurídicas no âmbito da Administração Tributária.

O primeiro nível da CNAE, a seção, está atualmente dividida da seguinte forma:

Seção Divisões Descrição
A 01 a 03 Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura
B 05 a 09 Indústrias extrativas
C 10 a 33 Indústrias de transformação
D 35 a 35 Eletricidade e gás
E 36 a 39 Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação
F 41 a 43 Construção
G 45 a 47 Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas
H 49 a 53 Transporte, armazenagem e correio
I 55 a 56 Alojamento e alimentação
J 58 a 63 Informação e comunicação
K 64 a 66 Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados
L 68 a 68 Atividades imobiliárias
M 69 a 75 Atividades profissionais, científicas e técnicas
N 77 a 82 Atividades administrativas e serviços complementares
O 84 a 84 Administração pública, defesa e seguridade social
P 85 a 85 Educação
Q 86 a 88 Saúde humana e serviços sociais
R 90 a 93 Artes, cultura, esporte e recreação
S 94 a 96 Outras atividades de serviços
T 97 a 97 Serviços domésticos
U 99 a 99 Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais

Exemplos de classificação:

Vamos imaginar uma empresa que comercializa produtos eletrodomésticos e aparelhos de som e vídeo. O seu comércio é varejista e, portanto, precisa seguir esse caminho: Seção G ==> Divisão 47 ==> Grupo 475 ==> Classe 4753-9 ==> Sua CNAE.

Exemplificando:

A seção G é a que integra o comércio e os estabelecimentos de reparação de veículos, motocicletas e automotores. O comércio varejista está na Divisão 47. Assim, o grupo 475 é onde ficam as empresas que comercializam equipamentos de comunicação, informática e artigos de uso doméstico no varejo. As organizações especializadas em eletrodomésticos e equipamentos de vídeo e áudio estão na classe 4753-9. Depois da seleção da classe do negócio a ser desenvolvido pela empresa, chegamos na CNAE nº 4753-9/00.

Interessante observar que no dia-a-dia você poderá encontrar atividades similares quando estiver nas subclasses CNAE. Vamos imaginar um pet shop, onde é comercializado medicamentos veterinários de diversas modalidades. Nesse exemplo, deverá ser observado a seguinte classificação:

Como pode ver, há uma subdivisão onde seu negócio se encaixa. Ela se “avizinha” com outras atividades secundárias do mesmo ramo, que possuem pequenas variações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É importante entender classificações atípicas, como de estabelecimentos auxiliares, que exercem exclusivamente uma atividade de apoio a outros estabelecimentos dentro da mesma organização.

Exemplificando:

Vamos imaginar um escritório administrativo. Ele entraria na classificação como uma subclasse CNAE do estabelecimento a que serve. Essa regra ficou estabelecida através de uma decisão da Subcomissão para a CNAE de estabelecimentos auxiliares.

A decisão também definiu a forma de classificação. Os estabelecimentos auxiliares ou de apoio devem ser identificados por completo em um campo específico no cadastro do órgão. É preciso dizer, por exemplo, qual o tipo de apoio que ele exerce, e se é sede, unidade administrativa local, depósito fechado, etc.

Há também os casos dos estabelecimentos auxiliares que desempenham atividades para mais de um estabelecimento. Por exemplo, os depósitos de mercadorias próprias. Do mesmo modo, as unidades precisam estar atribuídas ao código de subclasse CNAE da organização a qual servem. Nesse caso deve ser incluído o código CNAE da unidade de produção com maior peso de valor em relação ao estabelecimento auxiliar, ou seja, a unidade mais importante ligada a ele. Para facilitar, é possível incluir o código da atividade principal da empresa.

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Documentos eletrônicos médicos: Regulamentação pelo Conselho Federal de Medicina (CFM)

Neste trabalho analisaremos as disposições constantes da Resolução CFM nº 2.299/2021, que veio regulamentar, disciplinar e normatizar a emissão de documentos eletrônicos médicos. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Estabelecimentos equiparados a industrial para fins do IPI

Veremos nesta oportunidade as hipóteses de equiparação a industrial, obrigatórias e facultativas, presentes no Regulamento do IPI/2010 (RIPI/2010), aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)


Mantida justa causa de trabalhadora que furou a fila da vacina contra a Covid-19 em Belo Horizonte

Mantida a justa causa aplicada à trabalhadora que tomou a vacina contra a Covid-19 antes do tempo previsto na cronologia estabelecida. Segundo a empregadora, a profissional se aproveitou do fato de prestar serviços à tomadora, que é fundação pública federal da área da saúde, para burlar o plano de vacinação e tomar indevidamente a vacina, “o que configura mau procedimento, nos termos do artigo 482, alínea b, da CLT”. A profissional alegou que foi (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Termina amanhã (30/11) o prazo para as empresas se regularizarem espontaneamente em relação às inconsistências de informações na apuração do GILRAT

Os avisos de autorregularização foram recebidos por 6.150 empresas em todo o Brasil. Mais da metade já promoveu a retificação das respectivas GFIP, elevando o montante de contribuição previdenciária em cerca de R$ 30 milhões, dos quais R$ 18 milhões já foram pagos. Em relação às demais empresas, cerca de 40% também já promoveu a retificação dos valores informados nas GFIP, elevando o montante de contribuição previdenciária devido em mais de R$ 1 (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Você conhece o Auxílio Inclusão, voltado para pessoas com deficiência incluídas no BPC que ingressam no mercado formal? Tire suas dúvidas!

Um estímulo à autonomia de pessoas com deficiência. Um incentivo ao profissionalismo e para que empresas privadas incluam a diversidade em seus quadros funcionais. Um recurso para estimular a independência. Esses são alguns dos conceitos que pautam o Auxílio Inclusão, instituído pelo Governo Federal por meio do Ministério da Cidadania e em operação desde outubro de 2021. O benefício pode ser requerido por pessoas com deficiência que fazem parte do Be (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Benefícios previdenciários)


Receita Federal disponibilizou a minuta dos registros da série R-4000; confira quais são as alterações.

Nos últimos meses, o governo publicou uma série de novidades em relação à Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf). O documento, que centraliza diversas informações das empresas, é uma obrigação acessória do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), e deve ser entregue mensalmente, sempre até o dia 15 do mês subsequente ao que se referem os dados. O preenchimento é feito de forma totalmente dig (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (eSocial)


INSS muda regras para contribuições atrasadas de MEIs, autônomos e domésticos

Mudança pode afetar os trabalhadores que precisam pagar contribuições antigas e que se enquadrariam nas regras de transição da reforma da Previdência O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS publicou a Portaria 1.382 que muda as regras sobre os efeitos das contribuições feitas em atraso por microempreendedores individuais (MEIs), autônomos e domésticos. Na prática, a mudança pode afetar os trabalhadores que precisam pagar contribuições antigas (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Aposentadoria)


De acordo com a Receita Federal a revisão de Pronunciamentos Técnicos CPC nº 18/2021 não produz efeitos na apuração dos tributos federais

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU), de 23/11/2021, o Ato Declaratório Executivo COSIT nº 34/2021 para declarar que a Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 18 emitida pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), não contempla, modificação, ou adoção de novos métodos ou critérios contábeis, ou a modificação ou adoção contemplada não produz efeitos na apuração dos tributos federais. Interessante mencionar que a Revisão de Pro (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)



Instrumento Particular de Contrato de Comodato

Apresentaremos nesse Roteiro uma breve explanação do conceito e das regras gerais que envolvem a operação de comodato, bem como um modelo prático de "Instrumento Particular de Contrato de Comodato" que poderá ser utilizado pelo comodante e comodatário quando da utilização dessa modalidade de empréstimo. Para tanto, utilizaremos como base os artigos 579 a 585 do Código Civil/2002 (CC/2002), aprovado pela Lei nº 10.406/2002, norma que cuida do comodato. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Contratos


Nutricionistas: Regulamentação da prática de acupuntura

Estamos disponibilizando nesta publicação a Resolução CFN nº 681/2021. Esta Resolução veio a regulamentar a prática de acupuntura pelo nutricionista. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Profissões regulamentadas (normas)


Norma Brasileira de Contabilidade: NBC PP 02 - Exame de qualificação técnica para perito contábil

Íntegra da Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) PP 02 - Exame de qualificação técnica para perito contábil. Interessante observar que o Exame de Qualificação Técnica (EQT) para perito contábil tem por objetivo aferir o nível de conhecimento e a competência técnico-profissional necessários ao contador que pretende atuar na atividade de perícia contábil. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Normas Brasileira de Contabilidade (NBC)


TRF4 - Metalúrgica pode usar créditos de PIS/Cofins nas despesas com aquisição de materiais reciclados

O desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), deu provimento ao recurso de uma metalúrgica de Guaramirim (SC) e determinou que a Receita Federal assegure o direito da empresa de utilizar créditos de PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) nas despesas com a aquisição de materiais reciclados (desperdícios, resíduos, aparas e sucatas). A decisão foi proferid (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito tributário)


TRT da 15ª Região (Campinas) não reconhece direito ao saque da rescisão de trabalhadora que optou pelo saque aniversário

Por unanimidade, a Segunda Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (SP/Campinas) julgou procedente o recurso da Caixa Econômica Federal e reformou a decisão de 1º grau que determinava a expedição de alvará para levantamento do FGTS de uma empregada que havia optado pelo saque aniversário do FGTS. A trabalhadora alegou que houve mudança do seu regime jurídico, de celetista para estatutário, e ajuizou reclamação trabalhista requerendo a (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Empregada do Rio Grande do Sul “proibida” de engravidar deve receber indenização por danos morais

A decisão unânime da Sétima Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) confirmou a sentença do juiz Rafael Flach, da Vara do Trabalho de Rosário do Sul. Os desembargadores reconheceram que havia uma conduta reiterada do empregador, por meio do gerente, que atentava contra a dignidade e a saúde mental da assistente administrativa. O valor da indenização foi aumentado de R$ 5 mil para R$ 10 mil. Pela prova oral, foi comprovado o tratamento d (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Veja os benefícios que todo MEI tem direito e pouca gente sabe

Você pode ser um empreendedor sem gastar muito tempo, dinheiro e burocracia. O microeemprendedor individual, ou MEI, é um profissional autônomo que atua com número de CNPJ, ou seja, vira uma pessoa jurídica, um negócio de uma pessoa só. É o modelo mais simples de empresa e fornece vantagens ao abrir contas bancárias, pedir empréstimos e emitir notas fiscais. Para ser registrado como MEI, é preciso faturar até R$ 81 mil por ano (ou R$ 6.750 por mês), (...)

Notícia postada em: .

Área: Simples Nacional (Microempreendedor Individual (MEI))


INSS regulamenta concessão do Auxílio-Inclusão

Publicada nesta sexta (19), no Diário Oficial da União, a Portaria Dirben/INSS Nº 949, de 18 de Novembro de 2021 traz os requisitos necessários para a concessão do Auxílio-Inclusão, novo benefício criado em junho deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro. O benefício pode ser requerido pelas pessoas com deficiência, atendidas pelo INSS, que ingressarem no mercado de trabalho. Segundo a Portaria, a concessão do benefício de Auxílio-Inclusão à Pessoa (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.